Parapente
Campo-larguense disputa Campeonato Brasileiro de Parapente
Além de conhecer pessoas fantásticas, a sensação de voar e ver o mundo lá de cima é indescritível. É um vício. Muda o estilo de vida. Só experimentando para entender
13/04/2019 02h34Atualizado há 5 dias
Por: Rodrigo Barão
Fonte: Folha de Campo Largo
10

Mesmo recente no esporte, a campo-larguense Raquel Pereira Cândido Venceslau (32) já par­ticipa do Campeonato Brasileiro de Parapente, junto com atletas de alto nível. A primeira etapa da compe­tição está sendo realizada em Governador Valadares desde o dia 6 de abril e termina neste sábado (13).

“O voo livre é sem dúvida a melhor experiência que eu já tive. Além de conhecer pessoas fantásticas, a sensação de voar e ver o mundo lá de cima é indescritível. É um vício. Muda o estilo de vida. Só experimentando para entender”, declara Raquel, empresária do ramo de Tecnologia de Infor­mação e que começou a voar há dois anos e meio.

Logo que tirou a habilitação de parapente, já participou do primeiro Campeonato Paranaense em Japira/PR e acre­dita que participar dos campeonatos é a melhor forma de evoluir no esporte. “Ano passado participei de todas as eta­pas do Paranaense e Sul Brasileiro. Neste ano estou cor­rendo novamente o Paranaense, o Sul Brasileiro e agora o Catarinense”, completa.

Ela conta que no final do ano passado a FVLP (Fede­ração de Voo Livre do Paraná) conseguiu uma vaga para que ela participasse do seu primeiro Campeonato Brasilei­ro, realizado em igrejinha/RS. “Como eu participei do ano passado, consegui garantir a minha vaga neste ano, onde a primeira etapa está acontecendo nesta semana em Gover­nador Valadares, um dos sítios mais tradicionais de voo livre do mundo. É uma grande satisfação poder participar de uma segunda etapa do Brasileiro, pois as vagas são muito con­corridas. Aqui eu tenho a oportunidade de voar com os me­lhores pilotos do mundo”, detalha.

Com pouca experiência diante dos demais pilotos, que também utilizam equipamentos de ponta, diz que ainda não tem chances de se qualificar em outra categoria que não seja no Feminino, de menor concorrência porque existem poucas mulheres nos campeonatos. Mas o principal objeti­vo dela é investir no aprendizado para que dentro de alguns anos possa competir no mesmo nível dos pilotos experien­tes.

Para a competição, ela explica que o objetivo do voo é se manter por mais tempo no ar através das térmicas (ven­tos de convecção ascendente). “No universo dos campe­onatos temos uma rota definida por pilões, que são rotas demarcadas no dia de acordo com a condição meteoroló­gica. Ganha quem finalizar o trecho em menos tempo, o que exige experiência e decisões rápidas, como se fosse um jogo de xadrez no ar.” A segunda etapa do Campeona­to será realizada em Poços de Caldas, de 31 de agosto a 7 de setembro.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.